5 dicas para ganhar a briga contra a sua geladeira

Veja táticas práticas para dominar impulsos e se manter firme e forte nas metas.

Você está em casa, pensa em fazer uma boquinha, abre a geladeira e quer devorar tudo. Para, reflete que aquele doce ou petisco vão estragar a sua dieta. Fecha a geladeira. Mas dois segundos depois diz: “Ah, não tem problema”. Conclusão: você comeu tudo e um pouco mais.

Sorria, você não está sozinho. Controlar impulsos não é fácil para ninguém. Exige uma boa dose de esforço. Mas, com a ajuda de algumas táticas da psicologia, você pode aprender a ser mais dono dos seus atos sem permitir que seus ímpetos destruam um objetivo maior. Veja a seguir as dicas elaboradas com a ajuda da psicóloga Ágatha Marques.

  1. Entenda em qual momento o impulso bate à porta
    Comece a notar a repetição de padrões. A vontade de assaltar a geladeira surge sempre à noite? “Se for no fim do dia, quando cessam as atividades, e você entra em contato com si mesmo, talvez o momento de introspecção possa aflorar sentimentos como a insegurança”, diz Ágatha. Identificar a raiz do impulso é o primeiro passo para resolver o problema, que muitas vezes não é a comida, mas o que ela tenta camuflar. Converse com alguém sobre sua vontade de comer.  Seguir escondendo seus sentimentos com um pote de sorvete não vai te levar a lugar nenhum.
  2. Descubra um hobby pra chamar de seu
    Comer é uma das várias saídas que o cérebro encontra para se distrair de algum incômodo, como uma frustração, um sentimento de dor ou ansiedade. Além de trabalhar para atacar a origem do seu problema, dê ao seu cérebro outra distração que não seja a comida. “Cada um tem o seu recurso pra isso. Pra uns é ler um poema, assistir a um filme, pra outros é uma caminhada, praticar esporte ou meditar. O importante é achar alguma coisa que te faça bem e te faça voltar para o seu centro”, diz a psicóloga.
  3. Pense por que você quis emagrecer pra começo de história
    Você é médico e passa o dia em pé para atender os pacientes. Sua saúde não anda muito bem e você quer mais tempo com seu neto. Você quer se sentir mais atraente e viver uma nova paixão. Ou quer melhorar o desempenho sexual com o parceiro. Deixe claro pra você mesmo qual é sua motivação e visualize-se realizando cumprindo essa meta.  Ao pensar na recompensa, é muito mais fácil abrir mão de um prazer efêmero.
  4. Abra alas para você
    “Se você está em último lugar na lista de prioridades, você ajuda os outros a controlarem os impulsos e serem fortes e na hora que chega a sua vez de se controlar falta força”, diz Ágatha. Reserve um tempo para você em meio ao turbilhão de compromissos. Pense duas vezes antes de aceitar um convite para uma saída, de dizer sim às horas extras ou antes de resolver um problema do seu filho, que ele conseguiria muito bem solucionar sozinho.
  5. Libere sua agressividade
    Segundo Ágatha, a deglutição, no sentido mais arcaico, é um ato agressivo – no fim das contas, você está literalmente dilacerando um alimento. “Eu não consigo ser agressiva quando preciso e libero essa agressividade no ato de mastigar. Pessoas compulsivas não lidam bem com a agressividade”, diz a psicóloga. Entenda onde foi que essa agressividade foi reprimida. Foi com o chefe que não te valoriza? O filho que não te escuta? A esposa que não te respeita?

De novo, entenda o que está por trás do impulso, identifique o problema real e busque soluções mais assertivas. Comer, definitivamente, não é uma delas. Tente começar pensando nas situações que te deixam frustrado e te levam a buscar algum tipo de compensação.  É assim que os impulsos são mais do que controlados, eles deixam de existir.

Quer conhecer o Projeto EU? Cadastre-se ou entre em contato pelo WhatsApp

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.